Tunico da Vila homenageia filha que morreu com 14 dias de vida

'Ao segurar minha filha já falecida em meus braços, aprendi o que é paz', disse o sambista

Por O Dia

Madalena do Espírito Santo sofria de Síndrome da Hipoplasia do Coração Esquerdo
Madalena do Espírito Santo sofria de Síndrome da Hipoplasia do Coração Esquerdo -
Tunico da Vila é um homem de fé. Em dezembro do ano passado, sua filha Madalena do Espirito Santo, nasceu com uma cardiopatia grave. A síndrome da hipoplasia do coração esquerdo foi diagnosticada quando o bebê ainda estava na barriga da mãe, a jornalista Deborah Sathler. Mesmo com poucas chances de sobreviver e ouvindo as maiores atrocidades dos 'amigos', o casal decidiu levar a gravidez adiante. Madalena nasceu no dia 23 de dezembro e morreu 14 dias depois. Ao invés de blasfemar contra Deus, o sambista usou a dor dilacerante que sentia em seu peito para compor. O samba, em homenagem ao seu 'Quindim', será lançado em breve. "Essa música eu comecei a fazer desde que a Déborah engravidou. Eu mudei a letra depois que a Madalena partiu pro caminho das estrelas para que assim, eu a assuma como ancestral, minha filha ancestral", disse o filho de Martinho da Vila à coluna.
Para Tunico, o candomblé foi essencial para seguir em frente após essa experiência: "A religião me explicou, me confortou e me fez aceitar. Porém, o humano existe e é claro que vivo o lado mais lamentoso da minha vida. Não transformei a dor em canção e sim a felicidade de ser o pai de minha Madalena. Apesar de ser triste a sua partida, eu quero mostrar a paz e a saudade feliz que sinto dela, porque ela me ensinou isso.
Quando fui autorizado a entrar na sala de cirurgia e rezar o coração de minha filha, eu sabia que ela estava indo, mas senti a vida como nunca senti. Ao segurar minha filha já falecida em meus braços, aprendi o que é paz. Naquele momento brinquei, beijei, cantei canção de ninar, rezei e me despedi. Ela nasceu com a música dela, quando ainda fiz pensando na vida dela e agora lá dos astros, ela escutará a canção que fiz em homenagem a sua morte e saberá que eu e Déborah estamos nos cuidando e a amando cada vez mais.
Só consegui gravar agora pois tudo tem a sua hora certa de acontecer", explicou.
Confira a letra:
Minha filha Madalena
Você ensinou para o seu pai
Os caminhos da vida a trilhar
Jangada chegando lá do mar
Fogueira queimando ao luar
Para sempre eu vou lembrar
Com amor e fé rezar
Lua prateada pela madrugada
Sol aquece as manhãs
Envolvendo a batucada dos ogãs
Do ventre sagrado criança
Colo de Pai colo de mãe
De amarelinha foi brincar
Espiritualizar
Na roda de samba de N'Zâmbi
A mais linda e faceira menina
Madalena do Espírito Santo
Coração de Deus
E de todos os Orixás
E nos Rios de Oxum
Omolú vai lhe guiar
Com Nanã e Oxalá
Pra sempre eu irei lhe amar
Voe pelos astros nesse
Imenso azul do céu
Minha estrela e firmamento
As nuvens são o seu dossel
Deus é Pai Deus é Mãe
Deus é Filho e Filha
É o Divino Espírito Santo
Baba Kojadê
Erô baba mi xorô eronin
Baba kojadê
Erô baba mi xorô eronin
Baba Kojadê meu quindim
Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários