Apresentadores da CNN não sabem separar vida pessoal da bancada

Mari Palma e Phelipe Siani ganham os noticiários pela vida pessoal

Por O Dia

Mari Palma e Phelipe Siani
Mari Palma e Phelipe Siani -
Se eu não soubesse que a CNN Brasil é um canal de jornalismo, arriscaria dizer que é qualquer outra coisa. A emissora tem tudo para dar certo, mas esquece do principal: ser uma emissora de jornalismo e não de entretenimento. Talvez o caso seja deixar tal detalhe, claro, para alguns funcionários. Depois de jornalista em cima da mesa de trabalho, brigas em programas, convidado lembrando que apresentador que comentava manifestações anti-racistas tinha sido acusado de racismo, agora chegamos ao casos de família. Sejamos sinceros, por enquanto esse não tem barraco.
Mari Palma e Phelipe Siani definitivamente não conseguem dar visibilidade ao seu trabalho como dão à vida pessoal, já que tudo vira um grande show. Começou com a contratação do casal, depois a decisão de apresentarem um programa jornalístico juntos, veio também toda questão da Covid-19 do casal e agora até a promoção de Mari para um programa no horário nobre gerou vídeo feito por Siane como se fosse um grande filme de romance onde o casal principal é separado pelo destino. Pelo amor de Deus! Sou da época em que jornalista aparecia por suas matérias, seu trabalho, grandes coberturas e não pela vida pessoal.
O casal, aposta da emissora na contratação, ainda não engrenou. Siane em certa vez saiu em defesa da namorada quando ela foi chamada de repórter por um entrevistado: "não é repórter, é a apresentadora do Live, a Mari Palma”. Essa geração que acha que estar na bancada é o auge do status não deve entender o quanto os jornalistas da minha geração tinham orgulho de serem "repórteres". Houve também o beijo no ar pelo Dia dos Namorados. Se vocês viram isso em outro telejornal brasileiro, me contem, porque realmente foi algo inédito para mim e vale ressaltar que não acrescentou nada para o público. Já o casal... Bom, ganhou algumas notinhas.
Espero que essa separação seja benéfica para os dois, fazendo com que seus feitos no jornalismo ou apresentação, como Phelipe prefere, se destaquem mais. O casal podia seguir o exemplo de Rafael Colombo e Marcela Rahal, que mesmo trabalhando juntos, mantiveram toda a classe e discrição ao dividirem a tela em uma edição do 'CNN 360'. O público só soube da ligação dos dois porque Daniela Lima, companheira de bancada de Rafael, entregou a relação, mas mesmo assim o casal mostrou grande timidez ao falar sobre o assunto.
Se a intenção é ser descontraído, não há problema, desde que se lembrem que ainda é um jornalístico. A própria CNN tem ótimos exemplos de jornalistas que são descontraídos, mas sem enveredar para o lado pessoal. É o caso de Daniel Adjuto, a já citada aqui Daniela Lima e Luciana Barreto, que vem dando um show. Luciana também teve Covid 19, mas não transformou sua recuperação num reality.

Comentários