Rodrigo Constantino é demitido da Jovem Pan e da Record - Reprodução
Rodrigo Constantino é demitido da Jovem Pan e da RecordReprodução
Por O Dia
Publicado 05/11/2020 15:30 | Atualizado 05/11/2020 15:31
O Grupo Record anunciou por meio de uma nota nesta quinta-feira (5), que o  jornalista Rodrigo Constantino não faz mais parte da empresa, onde ele era colaborador do site R7 e fazia também comentários na Record News. O motivo do desligamento foram as polêmicas declarações do comentarista  sobre o caso de jovem Mariana Ferrer, que foi vítima de estupro em uma casa noturna de Jurerê Internacional, Santa Catarina.
Durante uma transmissão ao vivo nas redes sociais, Constantino declarou que, se sua filha sofresse um abuso sexual assim como Ferrer, ele não denunciaria o homem e a deixaria de castigo. Ele também foi demitido da Rádio Jovem Pan

Após o pronunciamento do grupo Record sobre o caso, Rodrigo Constantino fez um post em seu perfil no Twitter: “A Record foi mais um veículo que não aguentou a pressão. O departamento comercial pede ‘arrego’, pois recebe pressão de fora, dos chacais e hienas organizados, dos ‘gigantes adormecidos’. Sim, perdi mais um espaço, mas sigo com minha total independência e com minha integridade”.
Publicidade
Leia o comunicado na íntegra
O Grupo Record vem a público informar que dispensou o jornalista Rodrigo Constantino de suas funções no portal R7 e na Record News. A decisão foi tomada em virtude das posições que o profissional assumiu publicamente sobre violência contra a mulher, em canais que não têm nenhuma vinculação com nossas plataformas.

O jornalismo dos veículos do Grupo Record tem acompanhado com muita atenção o caso de Mariana Ferrer e o Grupo não poderia, neste momento, deixar qualquer dúvida de que justiça não se faz responsabilizando ou acusando aqueles que foram vítimas de um crime. Apesar de ter garantias de liberdade editorial e de opinião, julgamos que o posicionamento adotado por Constantino não compactuou com o nosso princípio de não aceitar nenhum tipo de agressão, violência, abuso, discriminação por questões de gênero, raça, religião ou condição econômica.

Este é o compromisso do jornalismo do Grupo Record.