Susep aprova lançamento de apólices por período limitado

O seguro intermitente pode ser fixado em meses, dias, horas e até minutos. O assunto será debatido nesta semana no Conseguro, evento promovido pela CNseg em Brasília

Por Herculano Barreto Filho

Mais de 60% dos jovens usam celular para pagamentos
Mais de 60% dos jovens usam celular para pagamentos -
Rio - A Superintendência de Seguros Privados (Susep) publicou, na quinta-feira, uma circular que permite o lançamento no mercado de produtos com vigência reduzida de contrato. É o seguro intermitente, que poderá ser interrompido e acionado de acordo com a necessidade de cada cliente com um sistema de liga e desliga. Segundo o texto, os contratos poderão ser fixados em meses, dias, horas e até minutos. A nova modalidade de produto será tema de um painel exclusivo no Conseguro, o mais esperado evento do mercado de seguros, organizado pela Confederação das Seguradoras (CNseg), que ocorrerá de quarta a quinta-feira, em Brasília.
Essa nova categoria de seguro por prazo definido inclui, por exemplo, seguros de vida, de objetos rastreáveis e de imóveis. Na apólice feita para o aparelho celular, o seguro pode ser cobrado só pelo período em que o usuário estiver em local público. No seguro de residência, quando o proprietário alugar o apartamento ou a casa por temporada. Já o de vida, apenas para quando o contratante estiver em viagens.
O seguro intermitente é, normalmente, oferecido pela internet e contratado com menos burocracia. Sem a regulamentação, o seguro não podia ser comercializado no Brasil. "É um passo à frente no marco regulatório do setor de seguros e uma inovação importante, permitindo aos segurados a contratação das garantias pelos períodos desejados. A normativa estimula inciativas voltadas para ampliar a base de segurados e facilitar a distribuição de seguros por meios remotos", diz a Federação Nacional de Seguros Gerais (FenSeg).
Ronald Poon Affat, especialista em seguros e membro do Comitê para América Latina da Society of Actuaries, será um dos palestrantes do Conseguro. Segundo ele, havia uma necessidade dessa regulamentação mais flexível e personalizada, que ajudará a atrair consumidores com produtos mais acessíveis. "A nova regulamentação vai facilitar a entrada de insurtechs (startups especializadas em seguros) estrangeiras para provocar uma mudança profunda no mercado tradicional", projeta.
ALTA EM SEGURO PRESTAMISTA
Levantamento feito pela Brasilseg, da BB Seguros, apontou uma alta de 33% nos seguros de pessoas no primeiro semestre deste ano, em comparação ao mesmo período do ano passado. Destaque para o seguro prestamista, que teve um aumento ainda mais expressivo, de 89% em comparação com 2018. "É uma proteção a mais ao varejo e também para o consumidor, porque garante o risco da inadimplência. Hoje, as pessoas têm maior consciência da perda. Nós temos nos esforçado para tornar o produto conhecido, o que também favorece esse crescimento”, explica Karina Massimoto, superintendente executiva de seguros de Pessoas da Brasilseg.

Comentários