Vivendo momento irregular, chileno perde espaço no Botafogo

Jogador vem tendo poucas oportunidades

Por Lance

Valencia
Valencia -
Rio - A vida de Leonardo Valencia no Botafogo não tem sido fácil em 2019. Depois de uma boa temporada no ano passado, o chileno perdeu espaço no time e terá que se esforçar para agradar o técnico Eduardo Barroca. Em coletiva, na última sexta-feira, o treinador foi questionado sobre a ausência do jogador nos últimos três jogos do Alvinegro e as poucas oportunidades no ano e deu sinais de que quer ver mais empenho por parte do atleta.

"Sempre tive o Léo à minha disposição. Se eu não me engano, Léo jogou comigo sete ou oito jogos. Minhas referências de escolha são três: primeiro é ele com ele mesmo. Segundo é o Léo competir com os jogadores.Ele disputa com Alex, João, Wenderson, Marcos Vinícius, Rickson e outros. A terceira e principal é o jogo. Nos momentos que entra nos jogos, vejo aquilo que ele entregou, aquilo em que superou o adversário, o quanto foi decisivo. Me pauto nesses três pontos. Léo está dentro desse processo. Quando eu entender que ele deve voltar a ser utilizado, será. É um jogador que trabalha sério, tenho o maior respeito por ele. Faltam 23 jogos. Tem jogo pra caramba ainda. Naturalmente vai voltar a ter oportunidade", disse Barroca.

Valencia entrou em campo pela última vez aos 27 minutos do segundo tempo, na derrota por 2 a 0 para o Atlético-MG, pela Copa Sul-Americana, dia 31 de julho. Depois disso, o Botafogo enfrentou Avaí, Athletico-PR e Corinthians, pelo Brasileirão e o meia não foi utilizado. Como titular, não é escalado desde a derrota por 1 a 0 para o Palmeiras, pelo torneio nacional, em maio. Na ocasião o jogador de 28 anos foi substituído no intervalo.

Leo Valencia foi contratado pelo Alvinegro, sob grande expectativa, em 2017 e teve dificuldades para se firmar entre os titulares, com o então treinador Jair Ventura. Em 2018, no entanto, o status do meia mudou radicalmente. Começou de titular com Alberto Valentim e depois manteve a condição com Zé Ricardo. Ao todo foram 49 jogos, cinco gols marcados e 11 assistências, que fizeram dele o maior garçom botafoguense na temporada. Na atual temporada, por outro lado, participou de apenas 11 partidas, entre Carioca, Brasileirão e Sul-Americana e não anotou nenhum gol.
No início do mês, o Colo-Colo, do Chile mostrou interesse no jogador, mas algumas exigência referentes aos valores de salário, travaram as negociações. A disposição para ouvir propostas dá a indicação de que as relações entre o meia e os dirigentes do Botafogo já foram melhores e que o clube o enxerga como "negociável". A saída do chileno é vista com bons olhos, uma vez que significaria um alívio na folha salarial em General Severiano, em momento de dificuldades financeiras. O contrato do atleta com o Botafogo vai até junho de 2020.
O histórico extra-campo do chileno não ajuda na briga por mais espaço dentro do elenco, apesar de Barroca não ter entrado no mérito sobre a questão. Valencia esteve envolvido em algumas polêmicas, nos últimos anos em episódios que envolveram treinadores, festas e e até mesmo problemas com a Justiça.

No início de 2016, Leo se envolveu em uma polêmica em seu país natal. Na ocasião, discutiu com o então treinador da Universidad de Chile, Sebastián Becaccece. O técnico disse que não o escalaria em uma partida e o atleta respondeu, então, para que não o fizesse mais dali em diante. Na mesma La U, Valencia foi suspenso - com mais quatro jogadores - após acusação de estarem em uma festa durante momento delicado da equipe. O grupo não teria se reapresentado em boas condições e a diretoria interpretou o caso como um ato de indisciplina. O jogador pediu desculpas pelo Instagram

Antes de ser regularizado pelo Alvinegro, em meados de 2017, o jogador teve complicações para conseguir o visto de trabalho no Brasil, em trâmite que envolveu a Polícia Federal e o Ministério das Relações Exteriores chileno. Leo provou às autoridades brasileiras ter cumprido a pena aplicada no Chile, por acusações de agressão à ex-mulher.

Em abril deste ano, o jogador se envolveu em nova polêmica no Chile. O programa "Informe Esportivo", transmitido pela Televisión Nacional de Chile (TVN), fez uma matéria sobre a facção criminosa "Los Risas", famosa pelo tráfico de drogas e sequestros e mostrou a proximidade do grupo criminoso com o jogador do Botafogo e com Charles Aranguiz, do Bayer Leverkusen. A reportagem mostrou algumas fotos de Valencia com os irmãos Toloza García, líderes da facção.

Ao ser procurado pela produção do programa, o atleta preferiu não falar nada.

"São meus amigos locais, não tenho nada para dizer. Não me interessa falar sobre esse assunto, não vou falar nada", afirmou Valencia na ocasião.

Comentários