Para aliviar a crise: Botafogo vence Atlético-MG por 2 a 1 no Nilton Santos

Glorioso não faz jogo perfeito, mas aproveitas as chances com Diego Souza e Alex Santana; Di Santo diminuiu

Por O Dia

Diego Souza comemora gol com Marcinho
Diego Souza comemora gol com Marcinho -
Rio - Venceu o time que adotou a paciência como estratégia. O triunfo do Botafogo sobre o Atlético-MG (2 a 1), na tarde deste domingo (8), no Nilton Santos, foi construído num duelo equilibrado. O Galo, inclusive, teve mais posse de bola e mais chances de gol em parte do duelo. Mas o Glorioso mostrou virtudes e soube aproveitar as chances: com Diego Souza, de pênalti, no primeiro tempo, e com Alex Santana, no segundo. No fim, Di Santo ainda diminuiu o placar, mas já estava garantida a vitória para dar um respiro durante a crise. O Botafogo chegou aos 26 pontos é o décimo no Campeonato Brasileiro.
Os dez primeiros minutos foram de um Botafogo com quase 60% de posse de bola. O problema era a desorganização: o time de Eduardo Barroca não finalizava, e o Atlético levava perigo quando chegava. Aos 12, Cazares soltou uma pancada que passou perto da trave de Cavalieri. Aos 25, Ricardo Oliveira cabeceou uma bola que o goleiro tirou com a ponta dos dedos. O árbitro deu tiro de meta. 
O primeiro tempo, no geral, foi morno, piorado pelo calor carioca. Mas aos 40 minutos, Gilson cobrou uma falta que parou na barreira - a bola bateu no braço de Igor Rabello. O árbitro Bráulio da Silva Machado parou o jogo no lance seguinte e deu pênalti com ajuda do VAR. O defensor atleticano recebeu o segundo cartão amarelo - já tinha - e foi expulso. Na cobrança, Diego Souza bateu firme e abriu o marcador.
Segundo tempo truncado
O Botafogo foi para o intervalo com a vantagem do gol e de ter um jogador a mais, fato que desequilibrou o jogo a favor dos donos da casa. O Glorioso passou a chegar mais na área adversária. Aos 14 minutos, Barroca fez dupla substituição: saíram Fernando e João Paulo, entraram Bochecha e Leo Valencia. E foi o chileno que deu o passe para o gol de Alex Santana, aos 20 minutos: o camisa 10 alvinegro recebeu de Valencia após bom contra-ataque, e soltou uma pancada contra o gol de Wilson.
Diego Cavalieri não deixou de trabalhar com o segundo gol do Botafogo, nem deixou de contar com a sorte. Aos 31, Chará dominou uma bola na área e tentou encobrir o goleiro, mas a bola foi por cima da trave. Aos 48, num lance de desatenção da defesa, Di Santo recebeu um passe na pequena área e marcou para diminuir o placar. Mas, no final, valeu pela competência do Botafogo e pela dose de sorte - artigo sempre desejado pelos botafoguenses e importante em tempos de crise.

Comentários