Uso excessivo de mídia social por meninas pode atrapalhar o sono e atividades físicas

Pesquisa foi publicada na revista científica The Lancet Child & Adolescent Health

Por REVISTA PLANETA

Uso excessivo de mídia social por meninas pode atrapalhar o sono e atividades físicas
Uso excessivo de mídia social por meninas pode atrapalhar o sono e atividades físicas -

Rio - Um novo estudo que analisou três mecanismos pelos quais o uso frequente das mídias sociais pode prejudicar a saúde mental sugere que esse hábito tem um impacto em atividades saudáveis ​​(como sono e exercícios) e que esforços devem ser feitos para reduzir a exposição dos jovens a conteúdos nocivos.

Os autores sugerem que efeitos negativos diretos do uso das redes sociais, como afetar o desenvolvimento do cérebro, são improváveis ​​e, portanto, as intervenções para simplesmente reduzir o uso de mídias sociais podem ser equivocadas.

A pesquisa observou quase 10 mil adolescentes de 13 a 16 anos, estudados durante três anos na Inglaterra, entre 2013 e 2015. Metade das doenças mentais começa a aparecer por volta dos 14 anos, tornando a adolescência um período crucial para promover a saúde mental.

Há uma crescente preocupação dos pais e da comunidade científica com o uso excessivo das mídias sociais e o impacto delas na saúde mental e no bem-estar, embora as evidências desse impacto permaneçam contraditórias.

Há algumas evidências de que o uso da mídia social pode influenciar positivamente a saúde, por exemplo, reduzindo o isolamento social. No entanto, existem poucos estudos de longo prazo e poucos examinaram os mecanismos que podem afetar o bem-estar.

Segundo Russell Viner, pesquisador da UCL Great Ormond Street Institute of Child Health e líder da pesquisa, os resultados sugerem que as mídias sociais em si não causam danos, mas que o uso frequente delas pode interromper atividades que têm um impacto positivo na saúde mental, como dormir e se exercitar, aumentando a exposição de jovens a conteúdos nocivos, particularmente a experiência negativa de cyberbullying.

Para a pesquisa, o uso frequente de mídias sociais foi definido como o uso de redes sociais, mensagens instantâneas ou serviços de compartilhamento de fotos como Facebook, Instagram, Twitter, Snapchat e WhatsApp, três vezes ao dia ou mais.

Os autores observam que uma limitação dos dados da pesquisa é que ela não capturou quanto tempo os adolescentes gastaram usando mídias sociais, apenas com que frequência eles verificaram ou acessaram os sites/aplicativos.

No segundo ano do estudo, os participantes responderam um questionário sobre sofrimento psíquico. Eles também foram questionados sobre suas experiências com cyberbullying, sono e atividade física.

No último ano, os participantes foram entrevistados sobre três aspectos de seu bem-estar pessoal: satisfação com a vida, felicidade e ansiedade. Quando os autores encontraram associações significativas entre o uso de mídia social dos adolescentes e sofrimento psíquico ou bem-estar, eles avaliaram o grau em que isso poderia ser atribuído ao cyberbullying, sono e atividade física.

Em 2013, das 13 mil crianças entrevistadas, 43% dos meninos e 51% das meninas usaram as mídias sociais várias vezes ao dia (três ou mais). Em 2014, esse uso aumentou para 51% e 68%, respectivamente. Em 2015, 69% dos meninos e 75% das meninas usaram a mídia social várias vezes ao dia.

Em ambos os sexos, o uso frequente de mídias sociais foi associado a maior sofrimento psicológico. Em meninas, quanto mais elas acessaram ou verificaram as mídias sociais, maior o desgaste psicológico – em 2014, 28% das meninas que usavam mídias sociais com muita frequência relataram sofrimento psíquico no questionário geral de saúde, em comparação com 20% das que o utilizavam semanalmente ou menos. No entanto, esse efeito não foi tão claro nos meninos.

A pesquisa de bem-estar de 2015 revelou que o uso freqüente de mídia social persistente entre 2013 e 2014 previa um bem-estar mais tardio nas meninas, com as meninas que usavam regularmente as mídias sociais relatando muito menos satisfação com a vida e felicidade em 2015. Em contraste, não houve associações significativas identificadas pela pesquisa em meninos.

Alguns estudos anteriores sugeriram que problemas prévios de saúde mental estão associados a um maior uso de mídias sociais e os autores observam que é possível que isso aconteça no primeiro ano do estudo atual. No entanto, no segundo e terceiro anos, suas descobertas sugerem fortemente ligações causais entre o uso da mídia social e a saúde mental e o bem-estar.

Os autores descobriram que quase todo o efeito sobre o bem-estar das meninas em 2015 se deveu ao cyberbullying, redução do sono e redução da atividade física. Eles também descobriram que quase 60% do impacto sobre o sofrimento psicológico em meninas em 2014 poderia ser explicado pelo fato de seu sono ser interrompido e por uma maior exposição ao cyberbullying. A atividade física reduzida desempenhou um papel menor.

Em contraste, o cyberbullying, o sono e a atividade física parecem explicar apenas 12% do impacto do uso frequente de mídias sociais no sofrimento psicológico em meninos. Esses achados sugerem que existem outros mecanismos por trás dos efeitos das mídias sociais sobre a saúde mental dos meninos. Os autores sugerem que essas influências provavelmente sejam indiretas, assim como para as meninas, e não devido à exposição nas mídias sociais em si, mas mais pesquisas são necessárias para revelar quais podem ser essas influências indiretas.

Para Dasha Nicholls, pesquisadora do Imperial College London, Reino Unido, e co-autora da pesquisa, as diferenças entre o gêneros que foram descobertas na pesquisa poderiam ser atribuídas simplesmente ao fato de que as meninas acessam as mídias sociais com mais frequência do que os meninos, ou ao fato de que as meninas já tinham níveis mais altos de ansiedade para começar.

“O cyberbullying pode ser mais prevalente entre as meninas, ou pode estar mais associado ao estresse em meninas do que em meninos, entretanto, como outros relatos também encontraram claras diferenças entre os sexos, os resultados de nosso estudo tornam ainda mais importante mais estudos detalhados sobre os mecanismos de efeitos de mídia social por gênero”, diz Nicholls.

Para a pesquisadora Ann DeSmet da Universidade de Ghent, na Bélgica, as descobertas feitas pela pesquisa são importantes por pelo menos duas razões. Primeiro, elas mostram que o uso de mídias sociais entre jovens não precisa ser tão negativo quanto se supõe. Se  cyberbullying puder ser atenuado, os efeitos positivos do uso de mídias sociais, como incentivar interações sociais, podem ser mais endossados.

Em segundo lugar, as associações de estilos de vida com a saúde mental indicam a importância de programas multi-comportamentais e programas nas escolas para promover a saúde mental na juventude.

A pesquisa foi publicada na revista científica The Lancet Child & Adolescent Health.

Comentários