Sobe para três o número de mortos em explosão de casa no Alemão

Segundo a Secretaria Estadual de Saúde, Jânio Pereira da Costa, que estava em estado grave no Hospital Getúlio Vargas, morreu na noite desta quarta-feira. A Polícia Civil investiga se imóvel seria usado como laboratório por traficantes

Por ADRIANO ARAÚJO

Explosão em casa do Alemão deixou três mortos e 10 feridos
Explosão em casa do Alemão deixou três mortos e 10 feridos -
Rio - Subiu para três o número de mortos na explosão dentro de uma casa no Complexo do Alemão, na Zona Norte, na noite de terça-feira. Segundo a Secretaria Estadual de Saúde, Jânio Pereira da Costa, que estava em estado grave no Hospital Getúlio Vargas, morreu na noite de ontem.
Ainda na unidade estadual, seguem em estado grave Wallace da Rocha Lourenço, Clebio Serzedelo Morais de Abreu e Murilo Fernandes da Silva, este último que estava estável mas piorou seu quadro de saúde. Já Fábio Daniel Diomedes Ferreira chegou morto na unidade após a explosão.
Para o Hospital Municipal Salgado Filho, foram levados quatro feridos, todos sem identificação: um deles morreu e os outros estão graves, segundo a Secretaria de Saúde da cidade. Os internados passaaram por cirurgia e seguiam com o mesmo quadro de saúde na manhã de hoje.
Outras três pessoas ficaram feridas, segundo a PM e a Polícia Civil, mas elas não foram localizadas.   
Polícia Civil investiga se local era laboratório do tráfico
A Polícia Civil investiga a explosão de uma casa no Complexo do Alemão. Há informações de que o imóvel seria usado como laboratório por traficantes. De acordo com a 22ª DP (Penha), estão sendo apuradas as circunstâncias da explosão. Diligências estão sendo realizadas para esclarecer o caso.
A casa onde ocorreu a explosão fica próxima da UPP Fazendinha. Os parentes dos feridos que estiveram na quarta-feira no Hospital Getúlio Vargas negam o envolvimento dos jovens com o tráfico de drogas.
Uma mãe, que não quis se identificar, disse que a família faria um churrasco em casa e que o filho estava indo buscar a churrasqueira quando recebeu uma ligação. "Meu filho disse que ia jogar bola. Não sei onde ele estava, não é envolvido com nada".
Uma outra mãe, que teve dois filhos feridos, nega a versão de que o local era um laboratório do tráfico. "Eles estavam num churrasco comemorando o ano novo". Uma irmã de um dos rapazes também partiu para a defesa: "Meu irmão é trabalhador. Tem dois filhos pequenos. Tinha saído para jogar bola".

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários