Professores de Nova Iguaçu lançam livros na Bienal

Quatro profissionais da rede municipal de ensino da cidade estão participando da feira literária

Por O Dia

Veterano entre os professores escritores iguaçuanos, Rodrigo Marques apresentou o livro 'A Cidade do Pecado’, terceiro lançado na bienal
Veterano entre os professores escritores iguaçuanos, Rodrigo Marques apresentou o livro 'A Cidade do Pecado’, terceiro lançado na bienal -
Maior festa literária do Brasil, a Bienal do Livro 2019 vai ficar marcada na história de quatro professores da rede municipal de Educação de Nova Iguaçu. Verônica Cunha, Joicy Corrêa Araújo e Rodrigo Marques lançaram seus livros na 19ª edição do evento que termina neste domingo, dia 8. Já Wilzimere Amaral, que ainda não teve seu livro publicado, participou contando histórias escritas por ela.

Entre os quatro, Rodrigo Marques é o “veterano” da turma. Morador do bairro de Santa Eugênia, o professor de Ciências da Escola Municipal Nicanor Gonçalves Pereira, já participou de outras edições da Bienal do Livro como autor. ‘A Cidade do Pecado’ é o terceiro livro lançado por ele na festa da literatura.

“Este livro envolve muito mistério e humor. Sempre escrevo voltado para o público adolescente com muito romance e suspense. Além de dar aula, tenho paixão por escrever e é gratificante saber que alguém está lendo meu livro. Participar de bienais é um momento que posso ficar próximo dos leitores”, afirmou o educador, que já lançou os livros ‘Dupla Face’, na Bienal de 2015, realizada no Rio de Janeiro, e ‘A Vida Off-Line’, na Bienal de 2016, em São Paulo.

Verônica Cunha, professora do CIEP 022 e da Escola Municipalizada de Jaceruba esteve na Bienal na terça-feira, dia 3, e foi prestigiada pelos alunos durante a apresentação do livro “Pirulito: crônicas para professores e admiradores”. “São histórias que trazem um olhar de reflexão para o cotidiano da escola e dos seres humanos que a constroem. É neste lugar de conflitos que nos fazemos gente por um longo e delicioso período de nossas vidas”, conta ela.

Professora da Escola Municipal Flor de Liz há cinco anos, Wilzemere Amaral esteve na Bienal nesta sexta-feira, dia 6  e contou para as crianças sobre “O menino que não sabia nada”, uma história inspirada em sua própria infância. “O livro fala de um menino que não tinha expectativas e que descobriu, pela sua determinação, que não há limites para o conhecimento. Eu fui uma menina que não sabia nada, mas, por meio do meu esforço, busquei o conhecimento que eu precisava para me encontrar na vida”, relata Wilzimere, que está em busca de uma editora.

Já a professora Joicy Corrêa Araújo, da Escola Municipal Hélio Montezano de Oliveira, lançou o livro ‘Somos Todos Coloridos’, uma obra infantil que aborda de forma leve temas como preconceito e discriminação.
“É um orgulho muito grande ver nossos professores lançando livros em um evento grandioso como é a Bienal do Livro. Esperamos que outros mais tenham este mesmo privilégio na próxima edição”, disse a secretária de Educação, Maria Virgínia Andrade Rocha, ressaltando que a Prefeitura de Nova Iguaçu tem investido na capacitação do corpo docente, através da Casa do Professor, com cursos, palestras e atividades culturais.

Galeria de Fotos

Veterano entre os professores escritores iguaçuanos, Rodrigo Marques apresentou o livro 'A Cidade do Pecado’, terceiro lançado na bienal Divulgação
A professora Verônica Cunha escreveu o livro 'Pirulito: crônicas para professores e admiradores' Divulgação
Alunos da professora Verônica Cunha que estudam no CIEP 022 e na Escola Municipalizada de Jaceruba foram prestigiar o lançamento Divulgação

Comentários